Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Por que eu decidi fazer a Transição?

Eu comecei a relaxar meus cabelos aos 12 anos de idade, confesso que até então esse havia sido “o melhor dia da minha vida.” Relaxamento na época era novidade, e como todos me conheciam na escola como ‘vassoura’, ‘cabelo de bombril’ e apelidos semelhantes, eles se surpreenderam com a mudança e fui pela primeira vez alvo de admiracão de elogios, me senti uma ‘super star’.

Mas minha família era muito pobre e minha mãe não tinha dinheiro pra fazer meu relaxamento a cada 3 meses,  então eu fazia uma vez por ano ou a cada 6 meses quando era possível. Então quando eu cresci e comecei a trabalhar realizei meu sonho de ter cabelos  lindos e esvoaçantes = a super lisos, assim como os das mulheres dos cormeciais de shampoo e as atrizes que eu tanto admirava. Foram mais de 10 anos escrava dessa ditadura dos cabelos lisos.

Eu decidi fazer minha transição depois que me mudei para Alemanha, aqui eu não tinha mais minha cabeleireira de confiança, que eu frequentava uma vez por semana, ela cuidava dos meus cabelos por completo, lavava, cortava, fazia hidratação, reconstrução, relaxava, pranchava e me deixava linda e maravilhosa, com cabelos lisos e ondulados pra dar aquele ar de naturalmente lisos que eu amava.

Embora minha querida cabeleireira tenha me ensinado todos os passos para eu mesma fazer meu relaxamento e eu tenha comprado todos os produtos indicados por ela, 3 meses depois do meu último relaxamento feito no Brasil eu ainda não tinha coragem de fazer o procedimento sozinha na Alemanha, eu sempre tive muito cabelo, cada dia que passava sem relaxamento eles ficavam mais difíceis de desembaraçar e tratar, então ficou claro para mim que eu provavelmente ultrapassaria o tempo de utilização do produto e correria o risco de ficar careca, por que é certo que se você ultrapassar o tempo de uso de um produto tão poderoso como a guanidina, que era a base do produto que eu usava, meus cabelos quebrariam e cairiam.

Então eu resolvi esperar até conhecer alguém de confiança que pudesse fazer meu relaxamento, e nessa espera eu comecei a sentir ondulações surgindo das raízes dos meus cabelos e fiquei curiosa, eu fiquei me perguntando se seriam cachos, e me dei conta de que eu não sabia como realmente eram meus cabelos crespos, então comecei a pesquisar no Google e encontrei fotos de mulheres de cabelos crespos os mais variados, e fiquei surpresa de como eles eram lindos em todas as suas formas, texturas e tamanhos e percebi que o meu tinha que ser um daqueles e pensei então tudo bem, se for ficar como qualquer um desses eu topo, pensei que o meu cabelo era o tipo 4B ou 4C, mas hoje defino meus cabelos como tipo 4A/B é meio que a mistura dos dois.

Durante a transição eu fazia texturização, e no primeiro mês deu certo mas depois de 5 meses sem relaxamento ele estava com a raiz super volumosa e o restante do cabelo ficado  esticado de um jeito que eu nunca tinha visto, opaco, caindo muito, já todo quebrado e morto e nem mesmo texturização funcionava no comprimento com química, então resolvi cortar e dei fim há um dos períodos mais difíceis na minha relação entre o espelho e eu.

Comments

comments

No Comments Yet.

What do you think?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *